Controle de abelhas: saiba como evitar problemas

Existem mais de 20 mil espécies de abelhas espalhadas em grande parte do mundo e a mais conhecida é a Apis mellifera (abelha do mel). O Brasil tem ainda dezenas de espécies nativas, bem menores que a abelha do mel. Produtoras também de geleia real e própolis e com um papel importante na polinização – transferência dos grãos de pólen de uma flor para outra, levando à fecundação e desenvolvimento dos frutos – as abelhas podem se tornar ameaçadoras ao instalarem suas colmeias muito próximas a residências e outros estabelecimentos urbanos, expondo as pessoas e animais ao seu ataque.

É muito comum, no tempo quente, encontrarmos abelhas voando sobre lixo, açúcar, copos de café e restos de refrigerante ou outros alimentos: quando as flores escasseiam, elas buscam o doce em outros locais. E a degradação dos ambientes naturais pode empurrá-las para áreas mais habitadas.

Embora não sejam exatamente agressivas, ao sentir que existe ameaça à colmeia elas tendem a picar quem se aproxima. A ferroada é dolorida e contém um veneno (apitoxina) que, no organismo humano, provoca queda na pressão sanguínea, hemólise, destruição dos glóbulos vermelhos e a infiltração dos tecidos. Momentos depois do ataque, a pessoa pode sentir o inchaço no local, dor e coceira ou calor na pele.

Picadas em grande quantidade podem causar insuficiência renal, anemia aguda e até a morte em casos de alergia ou choque anafilático. E além do risco às pessoas e animais, no meio rural algumas espécies também causam problemas ao atacar culturas como as da uva e do maracujá.

 

Como evitar problemas com abelhas

Espalhadas pelas áreas verdes e, por consequência do calor e do desmatamento, pelos centros urbanos, as abelhas preferem lugares calmos e protegidos para construir a colmeia, como beiras de telhados, cantos, interior de paredes, parapeitos e postes. No meio rural, normalmente instalam-se árvores ou em espaços escondidos e abrigados.

Uma colmeia pode abrigar até 80 mil indivíduos, organizados da seguinte maneira: a rainha, maior que as outras abelhas, vive em média cinco anos e sua função é a reprodução, podendo colocar mais de mil ovos por dia; os zangões, que acasalam com a rainha e morrem logo depois; as abelhas operárias, fêmeas estéreis responsáveis por todo o trabalho de polinização, alimentação e proteção da colmeia.

Se as abelhas que estão no telhado da sua casa ou no poste da rua próximo a sua residência se sentirem ameaçadas podem atacar, utilizando o ferrão como defesa.  Elas podem estar próximas da sua casa em colmeias ou chegar perto de você quando agrupadas em enxames viajantes.

Portanto, evite chegar muito perto desses locais, não se aproxime ao enxergar uma colmeia ou um grande enxame nem fique exposto quando elas estão próximas de você. Se a abelha operária, por exemplo, que tem como função levar alimentos para a colmeia, sentir que o seu trabalho será interrompido, pode utilizar como recurso de defesa o ferrão.

Para controlar a presença desses insetos, é necessária a assistência de profissionais especializados, que saibam como removê-los. Assim, você evita que as abelhas invadam o seu espaço e causem danos à saúde daqueles que têm alergia ao seu veneno. Fique atento aos sinais e aja de maneira segura e eficiente.

Contrate um serviço qualificado, com equipe especializada e conhecedora das técnicas necessárias para remoção ou eliminação desses insetos. Fale com a Uniprag e tenha certeza de resolver a situação.